quinta-feira, setembro 27, 2007

Encosta-te aí

Encosta-te aí,
nós já fumámos cem mil gansas
encosta-te aí,
Acho que estamos a exagerar
encosta-te aí,
Porra que nunca te cansas
Já nem sei onde estou
Vou-me vomitar.

Acabou-se a festa,
Levantei-me e fui bater com a testa,
na merda da mesa
no fundo pra te socorrer
Mas já não estou bem
não acerto com os meus passos
E a cabeça dói também,
Só quero adormecer.

Tudo o que eu vi,
foram elefantes às cores
o que não vivi, acho que já não consigo
sei que não sei, ver pastéis de nata voadores
mas soube-me bem,

Encosta-te aí.

Encosta-te aí,
desatinamos tantas vezes
chata do caneco,
deixa ser meu o teu isqueiro
Acho melhor parar
Que ainda me dá um treco
Tenho de me aguentar
Seja como for.

Já não sinto nada
porque arrasei tudo o que quis
em nome da pedra
que me faz rir e ser feliz
enrosca-te aí,
irra que cheiras a flor queimada
vai beijar o homem-bomba,
deixa-me adormecer.

Tudo o que eu vi,
foram elefantes às cores
o que não vivi, acho que já não consigo
sei que não sei, ver pastéis de nata voadores
mas soube-me bem,

Encosta-te aí

2 comentários:

tonsdeazul disse...

Sim... sem dúvida.
Muito boa!!
Muito boa mesmo!!
Estás lá!!

Cristina disse...

Esta versão fica melhor!